PrevSIAS
Espaço do Participante
Contato

News Categories: Saúde

09 jun
By: Blog SIAS 0

Formas de contratação de planos de saúde

Conheça os diferentes tipos de planos e suas principais características.

Individual ou Familiar

Você procura a operadora para contratar o plano.

Principais características do plano Individual ou Familiar:
Adesão: Livre
Carência: Sim
Cobertura: Conforme o contrato e o Rol de Procedimentos
Rescisão: Apenas em caso de fraude e/ou falta de pagamento
Cobrança: Diretamente ao consumidor pela operadora de planos de saúde.

Coletivo por Adesão

Sua associação profissional ou sindicato contrata o plano para você.

Principais características do plano Coletivo por Adesão:
Adesão: Exige vínculo com associação profissional ou sindicato
Carência: Sim. Salvo para quem ingressa no plano em até 30 dias da celebração do contrato ou no aniversário do mesmo
Cobertura: Conforme o contrato e o Rol de Procedimentos
Rescisão: Previsão em contrato e somente válida para o contrato como um todo
Cobrança: Diretamente ao consumidor pela Pessoa Jurídica contratante ou pela Administradora de Benefícios.

Coletivo Empresarial

Sua associação profissional ou sindicato contrata o plano para você.

Principais características do plano Coletivo Empresarial:
Adesão: Exige vínculo com pessoa jurídica por relação empregatícia ou estatuária
Carência: Sim. Salvo para contrato com 30 ou mais beneficiários e para quem ingressa no plano em até 30 dias da celebração do contrato ou da vinculação à empresa
Cobertura: Conforme o contrato e o Rol de Procedimentos
Rescisão: Previsão em contrato e somente válida para o contrato como um todo
Cobrança: Diretamente ao consumidor pela Pessoa Jurídica contratante ou pela Administradora de Benefícios.

Fonte: https://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/contratacao-e-troca-de-plano/dicas-para-escolher-um-plano/formas-de-contratacao-de-planos-de-saude

 

Leia Mais
02 jun
By: Blog SIAS 0

Junho laranja 2022

A campanha do mês de junho dirige-se à informação e prevenção sobre a saúde do sangue. Além de reservar um dia especialmente à importância da transfusão de sangue, o mês também traz em destaque duas das condições mais frequentes relacionadas ao sistema sanguíneo: a anemia e a leucemia. A anemia, apesar de muito frequente, ainda continua sendo um tema que traz muitas dúvidas à população. Já no caso da leucemia, ainda que menos frequente, também merece destaque por se tratar do principal câncer maligno da infância.

O QUE É ANEMIA?
A “anemia” não é uma doença, mas sim um sinal de que existe uma doença.

Muito embora a anemia seja popularmente conhecida como a falta de ferro no sangue, vale destacar que esta é somente uma das diversas condições que podem levar a um quadro anêmico. Por definição, a anemia é a redução dos níveis dos relativos aos glóbulos vermelhos presentes no sangue (hemoglobina, hematócrito e/ou massa eritrocitária). Esta condição pode estar relacionada a causas genéticas (hemoglobinopatias) ou a causas secundárias (exemplos: doença renal crônica, alterações no metabolismo do ferro, sangramentos, deficiência de vitaminas e muitas outras).

Os sinais e sintomas da anemia variam de acordo com a intensidade do comprometimento de cada paciente e da doença que está por trás de cada caso. Em geral, uma pessoa “anêmica” pode apresentar um conjunto de sintomas que refletem a baixa quantidade disponível de glóbulos vermelhos na circulação sanguínea, configurando a chamada síndrome anêmica: fadiga, falta de ar aos esforços e/ou em repouso, palpitações, claudicação, sonolência e confusão mental.

A resolução da anemia, quando feita a curto prazo, pode ser feita pela reposição de sulfato ferroso, de vitaminas e por meio da transfusão sanguínea, mas elas possuem indicações muito específicas e não podem ser generalizadas. É importante reforçar e destacar que a anemia é apenas um sinal de que existe uma doença e que, portanto, necessita de uma investigação da causa que resultou na anemia.

JÁ OUVIU FALAR EM LEUCEMIA?
A leucemia é o câncer mais frequente em crianças e um dos mais comuns no mundo, com uma estimativa de 10.180 novos casos no Brasil em 2020 (dados do Instituto Nacional de Câncer – INCA). Caracteriza-se como uma doença maligna dos glóbulos brancos, geralmente de origem exata desconhecida. Ela pode ser classificada em relação à velocidade de evolução (aguda ou crônica) e pelo tipo celular predominantemente afetado (linfoide ou mieloide).

SINAIS E SINTOMAS DAS LEUCEMIAS

O acúmulo de células defeituosas e o funcionamento inadequado da medula óssea podem levar a sintomas muito variados de acordo com o tipo e evolução da doença. Em geral, pode-se observar sintomas semelhantes à síndrome anêmica (fadiga, falta de ar aos esforços e/ou em repouso, palpitações, claudicação, sonolência e confusão mental), mas há um comprometimento mais evidente relativo à redução dos glóbulos brancos, levando a uma maior suscetibilidade a infecções frequentes, febre, gânglios linfáticos inchados (“ínguas”), perda de peso sem motivo aparente, desconforto abdominal (geralmente, pelo aumento do baço e fígado), dores nos ossos e nas articulações, entre outros.

PREVENÇÃO

Na maioria dos casos, não há um fator de risco que possa ser modificado e que, portanto, possa ser indicado como um fator prevenível. Os únicos fatores cientificamente comprovados que aumentam o risco de desenvolver a doença foram a exposição à radiação ionizante (em procedimentos médicos como radioterapia) e ao benzeno (substância encontrada na gasolina, na fumaça do cigarro e utilizado na fabricação de plásticos, lubrificantes, borrachas, tintas, detergentes, medicamentos e agrotóxicos).

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

Por se tratar de um câncer, a detecção em sua fase inicial é fundamental para que haja uma maior chance de tratamento. No entanto, não há evidência científica que justifique a realização do rastreamento de leucemias na infância e, em geral, a investigação ocorre somente quando houver suspeita clínica. Em boa parte dos casos, ocorre na infância e o diagnóstico é iniciado com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos, de acordo com cada paciente.

Após a confirmação diagnóstica, diversas modalidades terapêuticas podem ser empregadas de acordo com os aspectos clínicos do paciente (idade, presença de outras doenças, capacidade de tolerar a terapia) e do subtipo da leucemia. O transplante de medula óssea não está indicado em todos os casos, mas pode ser necessário, bem como a quimioterapia, imunoterapia, entre outros.

 

Fonte: http://blog.saude.mg.gov.br/2021/06/07/junho-laranja/

Leia Mais
20 abr
By: Blog SIAS 0

Abril Marrom 2022

O que é o Abril Marrom e qual a sua importância?

O Abril Marrom é uma campanha dedicada ao tema da cegueira. A iniciativa é fundamental, já que a maioria dos casos de cegueira é tratável quando diagnosticada precocemente. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), de 60% a 80% dos casos de cegueira são evitáveis.

Entre as causas mais comuns de cegueira evitável no Brasil estão: a Catarata, o Glaucoma, os erros refrativos, a Retinopatia Diabética e a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI). Essas doenças atingem milhares de pessoas e podem ser tratadas quando diagnosticadas precocemente. A visita ao oftalmologista deve ocorrer desde a primeira infância e em todas as fases da vida é preciso monitorar a saúde dos olhos. Muitas dessas doenças são silenciosas, não apresentando sintomas nas fases iniciais, detectá-las precocemente previne a perda da visão.

#abrilmarrom #prevenção #cegueira #retina #retinabrasil #combateacegueira #visao

Descrição da imagem: imagem de fundo com tom bege. Está escrito: “Começou o Abril Marrom 2022” e há a logo do Abril Marrom em destaque. Há ainda #abrilmarrom e a logo da Retina Brasil

Fonte: https://retinabrasil.org.br/comeca-hoje-o-abril-marrom-2022/

Leia Mais
07 abr
By: Blog SIAS 0

Informativo Mapma – Dia Mundial da Atividade Física

Anualmente, o dia 06 de abril é marcado pelo Dia Mundial da Atividade Física. Essa data foi estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o objetivo de incentivar a população a praticar alguma atividade física e alertar sobre os riscos do sedentarismo.

Nos últimos anos, devido ao impacto da pandemia do Coronavírus, o comportamento sedentário pode estar mais presente na vida das pessoas, especialmente pelas mudanças que o home office, as aulas remotas e o lazer em frente às telas trouxeram para o dia a dia.

Diante desse cenário, é importante retomar o hábito de praticar exercícios físicos pois trazem muitos benefícios para a saúde física e mental: ajuda na regulação do sono, melhora o condicionamento cardiovascular, auxilia na prevenção de uma série de doenças, ajuda na manutenção do peso e também é aliado no combate a problemas
como ansiedade e depressão.

Mas é essencial tomar alguns cuidados para uma retomada segura nas atividades físicas:

Inicie aos poucos: comece de forma gradual, assim, será mais fácil manter o hábito e reduzir o risco de lesões. Que tal começar com uma caminhada e ir aumentando o ritmo e a distância aos poucos? Associar exercícios aeróbicos a
exercícios de fortalecimento muscular também é uma boa estratégia.

Check up: fazer exames para saber como está sua saúde e identificar se existem condições que podem limitar os treinos, além de ter a orientação médica para determinados treinamentos, pode ser necessário.

Se aqueça antes de começar: o aquecimento é importante para preparar os grupos musculares que você vai exercitar durante o treino. Faça algumas repetições por cerca de 10 minutos para ajudar a prevenir lesões musculares e estiramentos.

Repouso: o descanso também é importante para restabelecer as condições físicas e musculares do corpo.

Fique atento aos cuidados pós Covid19: aqueles que tiveram a infecção por Covid19 e vão retomar as atividades físicas após a recuperação da doença, devem observar sintomas como cansaço desproporcional, dores e fadiga muscular acentuada, entre outros sinais. Nesses casos, procure um médico para investigação clínica.

Fontes:
https://bvsms.saude.gov.br/06-4-dia-mundial-da-atividade-fisica/
https://drauziovarella.uol.com.br/atividade-fisica/como-retomar-as-atividades-fisicas-de-forma-segura/
https://unafiscosaude.org.br/site/0604-dia-mundial-da-atividade-fisica/

Leia Mais
01 abr
By: Blog SIAS 0

Informativo Mapma – Sequelas e recuperação pós-Covid

Nem sempre a alta hospitalar é o fim dos problemas causados pela COVID-19. No mundo todo, uma série de complicações decorrentes da doença podem surgir meses após resolvido o quadro agudo da infecção pelo SARS-CoV-2, chamada de Covid longa ou de Sequelas agudas pós-Covid.

Muitas pessoas não desenvolvem sintomas ou recuperam-se plenamente, mas até 80% dos recuperados sentem ao menos um sintoma, geralmente por até quatro meses, após se recuperar da doença.

Alguns dos sintomas observados principalmente em pacientes que tiveram quadro grave e precisaram de UTI:

• Fadiga, cansaço, fraqueza, mal-estar
• Falta de ar (ou dificuldade para respirar, respiração curta)
• Fibrose nos pulmões e/ou rins
• Perda de paladar e olfato (temporária ou duradoura)
• Dores de cabeça
• Dores e/ou fraqueza musculares
• Dificuldades de linguagem, raciocínio/concentração e memória
• Distúrbios do sono (insônia)
• Depressão e ansiedade
• Agravamento de doenças preexistentes

As complicações que podem se agravar envolvem principalmente os pulmões, os rins e as condições de doenças preexistentes. Já quadro de sequelas não graves, mas também bem persistentes se relacionam com prejuízos no olfato e paladar, assim como sintomas ansiosos e depressivos.

Fibrose nos pulmões: a maioria dos pacientes apresentam nenhuma, pouca ou média falta de ar, mas nos casos mais graves podem evoluir para fibrose pulmonar ou bronquiolite obliterante (as células não se recuperam após a infecção dos pulmões)

Fibrose nos rins: pode ocorrer um processo de fibrose (similar a cicatrizes) nesses órgãos, e em alguns poucos casos ocorrer insuficiência renal aguda com necessidade de diálise.

Agravamento de doenças preexistentes: as doenças podem ter seus sintomas piorados, como por exemplo, alguém que já tinha diabetes apresentar um quadro de difícil controle.

Ansiedade e depressão: os impactos mentais podem ocorrer pelos mais diversos motivos, associados à pandemia, ao medo da morte, de ser reinfectado ou que alguém próximo seja contaminado. Como a infecção por Covid-19, por vezes, se apresenta de forma agressiva, tem deixado uma sequela pós-traumática que necessita, preferencialmente, de acompanhamento profissional.

Outros sintomas persistentes menos comuns pós-Covid-19:

• Dor no peito, palpitações, hipertensão e outros cardiovasculares
• Tontura
• Tromboses
• Bexiga neurogênica (dificuldade de urinar de forma espontânea)
• Queda de cabelo
• Diarreia, dores abdominais, náusea, apetite reduzido

Reabilitação pós-COVID-19
A maioria dessas consequências ocorre por conta do processo inflamatório exacerbado desencadeado pelo novo coronavírus (chamado de tempestade inflamatória) — além de agravamentos nos pulmões e rins e seus sintomas, bem como a própria internação e seus impactos, como na mobilidade e na circulação. Por isso, pode ser necessária reabilitação específica para uma recuperação satisfatória.

A ciência permanece em investigação sobre possíveis sequelas permanentes, entretanto a maior parte dos quadros pode ser resolvida com ajuda médica.

Os que estão recuperados da doença devem ficar atentos às suas condições gerais de saúde, observar desde incômodos a sintomas intensos e prolongados. Lembre-se: o cuidado pós-alta é essencial para a recuperação plena. Não hesite em procurar ajuda profissional caso apresente algum sinal ou sintoma.

 

Fontes:

https://vidasaudavel.einstein.br/sequelas-mais-comuns-pos-covid-19-e-possibilidades-de-recuperacao/#:~:text=A%2

https://saude.abril.com.br/medicina/uma-doenca-chamada-pos-covid/

 

Leia Mais
01 abr
By: Blog SIAS 0

Informativo Mapma – Rol de procedimentos

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) define uma lista de consultas,
exames e tratamentos, denominada Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que os
planos de saúde são obrigados a oferecer, conforme cada tipo de plano de saúde –
ambulatorial, hospitalar com ou sem obstetrícia, referência ou odontológico. Essa lista é
válida para os planos contratados a partir de 02 de janeiro de 1999, os chamados planos
novos. É válida também para os planos contratados antes dessa data, mas que foram
adaptados à Lei dos Planos de Saúde.

Atualmente, a cobertura assistencial obrigatória está regulamentada pela Resolução
Normativa nº 465, de 24 de fevereiro de 2021 e seus anexos. Conforme normativo, as
novas coberturas obrigatórias para os beneficiários de planos de saúde entraram em vigor
em 01/04/2021. Clique aqui para acessar a RN nº 465:

O Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde é periodicamente atualizado, tendo
em vista que novas tecnologias em saúde são continuamente incorporadas à prática
assistencial. Na saúde suplementar, a incorporação de novas tecnologias em saúde e a
definição de regras para sua utilização é regulamentada pela Resolução Normativa – RN nº
470/2021, que dispõe sobre o rito processual de atualização do Rol.

O rito processual de atualização do Rol é definido pela RN nº 470/2021 da seguinte forma:
1. Apresentação de Propostas de Atualização do Rol– PAR (Seção I);
2. Análise de Elegibilidade das PAR (Seção II);
3. Análise Técnica das PAR elegíveis, com concomitante discussão das propostas em
Reuniões Técnicas – RT (Seções III e IV); e
4. Fase Decisória (Seção V).

Desde 01/10/2021, qualquer pessoa física ou jurídica poderá, a qualquer tempo,
enviar Propostas de Atualização do Rol (PAR) à ANS, através da plataforma FormRol Web,
que viabiliza o preenchimento e a protocolização dos formulários eletrônicos. Clique aqui
para conhecer a plataforma FormRol Web:

No dia 23 de fevereiro de 2022, a 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça retomou
o julgamento de recursos para definir se a lista de procedimentos de cobertura obrigatória
dos planos de saúde é só exemplificativa (e, portanto, pode ser extrapolada), ou taxativa (e
deve ser seguido à risca, sem a obrigação de cobrir mais nada).

Esse julgamento já tinha começado em setembro de 2021, mas foi suspenso após
pedido de vista da ministra Nancy Andrighi e novamente foi suspenso após o pedido de
vista do ministro Villas Bôas Cueva. Ainda não há data definida para o reinício do
julgamento.

 

Fontes:

https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/consumidor/o-que-o-seu-plano-de-saude-deve-cobrir-1/o-que-e-o-rol-de-pro

https://www.gov.br/ans/pt-br/acesso-a-informacao/participacao-da-sociedade/atualizacao-do-rol-de-procedimento

https://www.conjur.com.br/2022-fev-23/stj-volta-julgar-cobertura-tratamentos-planos-saude

https://www.conjur.com.br/2022-fev-23/julgamento-stj-rol-ans-novamente-suspenso

 

Leia Mais
06 jan
By: Blog SIAS 0

Campanha Janeiro Branco

O que é o Janeiro Branco?
O Janeiro Branco é uma campanha ao estilo da Campanha Outubro Rosa e da Campanha Novembro Azul.

O seu objetivo é chamar a atenção da humanidade para as questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas.

Uma humanidade mais saudável pressupõe um cultura da Saúde Mental no mundo!

Por que Janeiro Branco?
Porque, no primeiro mês do ano, em termos simbólicos e culturais, as pessoas estão mais propensas a pensarem em suas vidas, em suas relações sociais, em suas condições de existência, em suas emoções e em seus sentidos existenciais.

E, como em uma “folha ou em uma tela em branco”, todas as pessoas podem ser inspiradas a escreverem ou a reescreverem as suas próprias histórias de vida.

Informações sobre Saúde Mental!
Campanhas geram conscientização, combatem tabus, mudam paradigmas, orientam os indivíduos e inspiram autoridades a respeito de importantes questões relacionadas às vidas de todo mundo!

O Janeiro Branco é uma fonte inesgotável de ações e de reflexões sobre tudo isso – confira as nossas redes sociais e veja tudo o que já foi realizado desde o início da Campanha, em 2014!

O que o Janeiro Branco realiza?
O Janeiro Branco promove palestras, palestras-relâmpago, oficinas, cursos, workshops, entrevistas midiáticas, caminhadas, rodas de conversa e abordagem de pessoas em todos os lugares nos quais as pessoas se encontram: ruas, praças, igrejas, empresas, residências, academias, shoppings, hospitais, prefeituras etc. Em janeiro de 2022, por causa da pandemia do Covid-19, a Campanha priorizará espaços abertos e meios online. Entre em contato!

 

Fonte: https://janeirobranco.com.br/ 

Leia Mais
02 dez
By: Blog SIAS 0

Campanha Dezembro Laranja

Neste verão, vamos conjugar prevenção ao coronavírus com cuidados para reduzir as chances de casos de câncer de pele? Esta é a proposta da campanha do Dezembro Laranja, organizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), em 2021.

Nos alertas, a SBD deixa claro que o atual momento pede que junto com o uso do álcool gel, máscara e distanciamento, os brasileiros cultivem as práticas de fotoproteção. Com a queda nos indicadores de morbidade e de mortalidade relacionados à covid-19, estima-se que neste verão as praias e os espaços abertos voltarão a ser ocupados com muito mais intensidade.

No entanto, a retomada da normalidade não deve ser feita sem atenção às recomendações das autoridades sanitárias, ainda atentas à possibilidade de aumento dos casos de contaminação pelo coronavírus. Além desse cuidado, afirmam, a população deve agregar à sua rotina as medidas de prevenção contra o câncer de pele.

Assim, como afirma a mensagem central da campanha do Dezembro Laranja 2021: “Adicione mais fator de proteção ao seu verão”!

Saiba mais sobre a campanha em www.sbd.org.br/dezembroLaranja.

Leia Mais
11 nov
By: SIAS 0

Mês Mundial de Combate ao Câncer de Próstata

Chamada: O câncer de próstata, tipo mais comum entre os homens, é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura.

A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque, que permite ao médico avaliar alterações da glândula.. Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no exame de toque.

A SIAS se preocupa com a sua saúde. Não deixe a doença vencer por preconceito ou medo, faça o exame e previna-se!

Leia Mais
27 abr
By: Blog SIAS 0

Campanha de Vacinação contra a Gripe

O Ministério da Saúde inicia na segunda-feira (23/3) a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Nesta primeira etapa, os públicos prioritários são idosos e trabalhadores da saúde. Serão realizadas mais duas etapas em datas e para públicos diferentes, alcançando cerca de 67,6 milhões de pessoas em todo o país. A meta é vacinar, pelo menos, 90% de cada um desses grupos, até o dia 22 de maio. Para isso, foram adquiridas 75 milhões de doses da vacina, que já estão sendo enviadas aos estados. O dia “D” de mobilização nacional para a vacinação acontece no dia 9 de maio (sábado). Nesta data, os 41 mil postos de saúde ficarão abertos para atender todos os grupos prioritários.
Neste ano, o Ministério da Saúde mudou o início da campanha, de abril para março, para proteger de forma antecipada os públicos prioritários contra os vírus mais comuns da gripe. A vacina contra influenza não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para coronavírus, já que os sintomas são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde. Estudos e dados apontam que casos mais graves de infecção por coronavírus têm sido registrados em pessoas acima de 60 anos, grupo que corresponde a 20,8 milhões de pessoas no Brasil. Por isso, a primeira etapa da campanha contempla esse público.
A etapa seguinte da campanha terá início no dia 16 de abril com objetivo de vacinar doentes crônicos, professores (rede pública e privada) e profissionais das forças de segurança e salvamento. A última fase, que começa no dia 9 de maio, priorizará crianças de 6 meses a menores de 6 anos, pessoas com 55 a 59 anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas com deficiência, povos indígenas, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.
Para viabilizar a campanha, o Ministério da Saúde investiu R$ 1 bilhão na aquisição de 75 milhões de doses da vacina. Até o momento, a pasta enviou aos estados 15 milhões de doses e mais 4 milhões serão distribuídas até o final de março. A vacina, composta por vírus inativado, é trivalente e protege contra os três vírus que mais circularam no hemisfério sul em 2019: Influenza A (H1N1), Influenza B e Influenza A (H3N2).
A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe envolve as três esferas gestoras do Sistema Único de Saúde (SUS), contando com recursos da União, das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.

CAMPANHA DE VACINAÇÃO
A partir deste sábado (21) começa a veicular a campanha publicitárias do Movimento Vacina Brasil contra a Gripe 2020. Com o conceito “Gripe. Tem que vacinar”, o Governo Federal irá convocar pessoas com mais de 60 anos e trabalhadores da saúde a se vacinarem contra a gripe a partir de segunda-feira (23/03). A campanha também traz como alerta o fato de a vacina não ter eficácia contra o coronavírus, mas proteger contra os outros tipos de vírus da gripe.
Também voltada para as outras duas etapas da campanha, as peças destacam as datas de início da vacinação para cada grupo e chamam a atenção para a importância de se respeitar o calendário para que todos sejam vacinados. A mensagem será transmitida por filme para redes e TV, spot de rádio, anúncio, cartazes, peças on-line, entre outras mídias, no período entre 21 de março a 22 de maio.

CASOS DE INFLUENZA NO BRASIL
O Ministério da Saúde mantém a vigilância da influenza no Brasil por meio da vigilância sentinela de Síndrome Gripal (SG) e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pacientes hospitalizados. São 114 unidades distribuídas em todas as regiões geográficas do país e tem como objetivo principal identificar os vírus respiratórios circulantes, permitir o monitoramento da demanda de atendimento dos casos hospitalizados e óbitos.
Em 2020, até a Semana Epidemiológica 11 (14 de março), foram registrados 165 casos e 13 óbitos por Influenza A (H1N1), 139 casos e 14 óbitos por Influenza B e 16 casos e 2 óbitos por Influenza A (H3N2). O estado de São Paulo concentra o maior número de casos de H1N1, com 42 casos e 2 óbitos. Em seguida, estão a Bahia (40 casos e 3 óbitos) e o Paraná (20 casos e 5 óbitos). No ano passado, o país registrou 5.800 casos e 1.122 óbitos pelos três tipos de influenza.

 

Fonte: Portal do Ministério da Saúde

Leia Mais