PrevSIAS
Espaço do Participante
Contato

Arquivos: News

24 nov
By: Blog SIAS 0

A Gente não Para, mas Imagina na Copa?

A Equipe de Relacionamento Unimed-Rio vai trabalhar em Home Office todos os dias de jogos do Brasil, na copa. Fique ligado e confira os nossos horários aqui:

  • Nos dias de jogos às 13h vamos parar 30 minutos antes do jogo e voltamos 30 minutos após o final da partida.
  • Nos dias de jogos às 16h, nosso expediente encerrará 15h.

 

Rumo ao Hexa!

Leia Mais
03 nov
By: Blog SIAS 0

Campanha Novembro Azul

Novembro Azul: mês mundial de combate ao câncer de próstata.

O câncer de próstata, tipo mais comum entre os homens, é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

O que é a próstata?

É uma glândula do sistema reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas, e se assemelha a uma castanha. Ela localiza-se abaixo da bexiga e sua principal função, juntamente com as vesículas seminais, é produzir o esperma.

Sintomas:

Na fase inicial, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Na fase avançada, os sintomas são:

• dor óssea;
• dores ao urinar;
• vontade de urinar com frequência;
• presença de sangue na urina e/ou no sêmen.

Fatores de risco:

• histórico familiar de câncer de próstata: pai, irmão e tio;
• raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer;
• obesidade.

Prevenção e tratamento:

A única forma de garantir a cura do câncer de próstata é o diagnóstico precoce. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). Cerca de 20% dos pacientes com câncer de próstata são diagnosticados somente pela alteração no toque retal. Outros exames poderão ser solicitados se houver suspeita de câncer de próstata, como as biópsias, que retiram fragmentos da próstata para análise, guiadas pelo ultrassom transretal.

A indicação da melhor forma de tratamento vai depender de vários aspectos, como estado de saúde atual, estadiamento da doença e expectativa de vida. Em casos de tumores de baixa agressividade há a opção da vigilância ativa, na qual periodicamente se faz um monitoramento da evolução da doença intervindo se houver progressão da mesma.

Fontes:

Agência Brasil
Sociedade Brasileira de Urologia
https://bvsms.saude.gov.br/novembro-azul-mes-mundial-de-combate-ao-cancer-de-prostata/

Leia Mais
24 out
By: Blog SIAS 0

25/10 – Dia Nacional da Saúde Bucal

A saúde bucal está diretamente relacionada com o estado de saúde geral do nosso organismo, e por isso é tão importante dedicarmos tempo e atenção às questões referentes a esse cuidado.
A condição da cavidade oral é capaz de influenciar o curso de várias patologias sistêmicas como a diabetes e cardiopatias, além de interferir em outros processos fisiológicos como a gestação.
As bactérias da boca podem causar infecções em outras partes do corpo quando o sistema imune está debilitado por uma doença ou tratamento médico, como, por exemplo, o desenvolvimento da endocardite bacteriana, que é uma infecção grave do endocárdio que acomete principalmente pacientes portadores de válvulas deficientes ou próteses valvares. Outra situação são as inflamações gengivais que podem aumentar o risco de um parto prematuro.

A prevenção é a melhor forma de manter a saúde bucal. Abaixo estão algumas recomendações que previnem e minimizam os problemas bucais mais frequentes:
Mantenha visitas regulares ao seu dentista, preferencialmente a cada 6 meses;
Realize a higiene oral no mínimo três vezes ao dia;
Evite hábitos como o consumo de bebidas alcóolicas e cigarros;
Realize a higiene oral diária de forma adequada utilizando escovas dentárias macias e creme dental com flúor;
Faça uso do fio dental diariamente;
Solicite ao seu dentista as orientações corretas para a realização da escovação dentária e quais os produtos mais indicados para o seu caso;
Evite o excesso de alimentos com açucares;
Se observar qualquer alteração bucal, procure o seu dentista para que seja realizado um exame clínico apropriado;
Troque sua escova dentária de três em três meses para garantir a sua eficiência (é importante também trocar a sua escova após episódios de gripe, resfriados ou dor de garganta, pois os vírus e bactérias podem se alojar em suas cerdas).

https://sp.unifesp.br/epm/noticias/saude-bucal
http://lourencoodontologia.com.br/blog/correlacao-entre-saude-bucal-e-saude-geral/

Fonte: Informativo Mapma

Leia Mais
19 out
By: Blog SIAS 0

Como funciona os reajustes dos planos de saúde?

O reajuste é a atualização da mensalidade baseada na variação dos custos dos procedimentos médico-hospitalares com o objetivo de manter a prestação do serviço contratado. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a entidade responsável pela regulação dos reajustes aplicados pelas operadoras de planos de saúde.
Existem dois tipos possíveis de aumentos: reajuste anual por variação de custos e reajuste por variação de faixa etária do beneficiário.

Planos individuais e familiares
A ANS determina o percentual máximo de reajuste anual dos planos individuais/familiares de assistência médico-hospitalar, com ou sem cobertura odontológica, contratados após 1º de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98.
O reajuste anual só poderá ser aplicado na data de aniversário do contrato e após autorização da ANS. Portanto, o consumidor deve verificar o mês em que o contrato de plano de saúde foi assinado e conferir se o reajuste está sendo aplicado a partir deste mês,nunca antes.
Para os planos de saúde antigos, aqueles contratados antes de 01/01/1999 quando entrou em vigor a Lei nº 9.656/98, que regulamentou o setor de planos de saúde e não adaptados à Lei, as regras de reajuste são aquelas estabelecidas em cada contrato.

Planos coletivos
Os planos de saúde coletivos são aqueles contratados por pessoas jurídicas. Podem ser empresariais, quando o contratante é uma empresa que oferece o plano aos seus empregados, ou coletivos por adesão, quando as pessoas jurídicas contratantes são entidades de caráter profissional, classista ou setorial, sendo possível contar com a
participação de uma Administradora de Beneficios.

Com menos de 30 beneficiários (Agrupamento de Contratos)
As operadoras devem reunir em único grupo os seus contratos coletivos com menos de 30 beneficiários para aplicar um mesmo percentual de reajuste. Essa ação é chamada de Agrupamento de Contratos e tem como objetivo a diluição do risco desses contratos para aplicação do reajuste ao consumidor, conferindo maior equilíbrio no índice calculado em razão do maior número de beneficiários considerados.
O índice de reajuste único aplicado a todos os contratos agrupados devem ser divulgados pela própria operadora em seu portal na internet no mês de maio de cada ano, ficando vigente até abril do ano seguinte e podendo ser aplicado a cada contrato nos seus respectivos meses de aniversários.
Há exceções em que o contrato coletivo que possui menos de 30 beneficiários não faz parte do Agrupamento de Contratos:
• Contratos firmados antes de 1º de janeiro de 1999 e não adaptados à Lei nº 9.656/1998;
• Contratos de planos exclusivamente odontológicos;
• Contratos de plano exclusivo para ex-empregados demitidos ou exonerados sem justa
causa ou aposentados;
• Contratos de planos com formação de preço pós-estabelecido; e
• Contratos firmados antes de 1º de janeiro de 2013 e não aditados para contemplar as
regras trazidas pela RN nº 309/2012, por opção da pessoa jurídica contratante.

Com 30 ou mais beneficiários
• As cláusulas de reajuste dos planos coletivos com 30 ou mais beneficiários são estipuladas por livre negociação entre a pessoa jurídica contratante e a operadora ou administradora de beneficios contratada.
• A justificafiva do percentual proposto deve ser fundamentada pela operadora e seus cálculos disponibilizados para conferência pela pessoa jurídica contratante. Dessa forma, a participação do contratante é fundamental no ato da negociação do reajuste, pois ele pode solicitar e ter acesso a informações sobre receitas e despesas de seus beneficiários,conseguindo melhores condições de negociar os valores.

Atenção:
• O percentual aplicado deve ser informado no boleto de pagamento e na fatura. As operadoras são obrigadas a disponibilizar à pessoa jurídica contratante a memória de cálculo do reajuste e a metodologia utilizada com o mínimo de 30 dias de antecedência da data prevista para a aplicação do reajuste.
• Os percentuais acordados devem ser informados pelas operadoras à ANS a cada trimestre, de acordo com os prazos definidos no Art. 2º da IN nº 13/2006.

Por faixa etária
• A variação do reajuste por mudança de faixa etária ocorre de acordo com a alteração da idade do beneficiário e somente pode ser aplicada nas faixas autorizadas. É prevista porque, em geral, por questões naturais, quanto mais avança a idade da pessoa, mais necessários se tornam os cuidados com a saúde e mais frequente é a utilização de serviços dessa natureza.
• As regras são as mesmas para os planos de saúde individuais/familiares e coletivos.
• As faixas etárias para correção variam conforme a data de contratação do plano e os percentuais precisam estar expressos no contrato. Confira as regras no link abaixo:

https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/consumidor/reajuste-variacao-de-mensalidade/reajuste-por-mudanca-de-faixa-etaria

Fonte: Informe Mapma

Leia Mais
13 out
By: Blog SIAS 0

Coaching Saudável Unimed-Rio

Auxilia e promove qualidade de vida aos pacientes portadores de sobrepeso e obesidade, com atendimento multidisciplinar.

Objetivo: 
Prestar acompanhamento multidisciplinar com apoio na mudança de hábitos e estilo de vida, promovendo estímulo à prática da atividade física, aperfeiçoamento do comportamento alimentar e atenção psicológica, com vistas à melhora sustentada de sua saúde.

Critério de inclusão: 
– Clientes Unimed-Rio com idade superior a 14 anos e inferior a 80 anos, com IMC igual ou superior a 25kg/m2, por demanda espontânea.
– Clientes Unimed-Rio com idade superior a 14 anos e inferior a 80 anos portadores de Diabetes Mellitus Tipo2, Dislipidemia ou Hipertensão Arterial Sistêmica. Necessário encaminhamento médico. Este espaço não contempla atendimento para clientes de outras Unimeds (intercâmbio).

Estrutura: 
Equipe multidiscipinar composta por psicólogo, nutricionista e médico endocrinologista.

Agendamento:
Não é necessário encaminhamento médico.
Telefone: 4020-0773

Leia Mais
06 out
By: Blog SIAS 0

Campanha Outubro Rosa

A campanha anual realizada mundialmente em outubro, com a intenção de alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama chegou! Entramos no Outubro Rosa com a intenção de disseminar atos preventivos e ressaltar a importância de olhar com atenção para a saúde e suporte emocional, além de garantir um tratamento
de qualidade.

Sobre o câncer de mama
É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, corresponde a cerca de 25% dos casos novos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, e representa somente 1% do total de casos da doença.
Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos.

Fatores associados a um risco maior de câncer de mama:
• História familiar (Hereditariedade) de câncer de mama: pacientes que têm a doença no histórico familiar têm maior risco de também a desenvolverem;
• Genes herdados que aumentam o risco de câncer (Mutação genética): certas mutações genéticas que aumentam o risco do câncer de mama podem ser passadas de pais para filhos. As mais conhecidas são as BRCA1 e BRCA2;
• Avanço da idade;
• Exposição à radiação em tratamentos no peito quando criança ou jovem adulto;
• Obesidade;
• Primeira menstruação precoce;
• Entrada na menopausa em idade avançada;
• Nunca ter engravidado ou ter passado pela primeira gestação após os 30 anos;
• Uso de medicamentos de terapia hormonal pós-menopausa;
• Consumo de bebidas alcoólicas.

Sobre o autoexame e mamografia:
O autoexame é essencial para que a mulher conheça sua mama e possa perceber rapidamente qualquer mudança em sua textura e aparência. A mulher deve apalpar suavemente uma mama de cada vez, verificando se há alterações na mama, aréola ou mamilo. Deve ser feito uma vez por mês, ao final da menstruação; para mulheres na menopausa, o ideal é definir uma data e fazê-lo mensalmente.
Mas, quando falamos em diagnóstico precoce do câncer de mama, há cuidados que devem ser tomados de forma ainda mais essencial. A mamografia é o principal exame capaz de detectar o câncer de mama quando ele ainda tem menos de 1 centímetro, tamanho em que ainda não pode ser sentido durante a palpação. E, quando diagnosticado
nesse estágio, o câncer de mama tem 95% de chances de cura.
Muitas mulheres ainda acham que apenas o autoexame já basta para detectar o câncer de mama e poucas reconhecem a importância da realização periódica da mamografia para o diagnóstico precoce. Especialistas estimam que a taxa de mortalidade da doença em mulheres entre 50 e 69 anos poderia ser reduzida em um terço se a mamografia fosse feita uma vez ao ano. Por isso, é importante estar sempre em dia com os exames clínicos e realizar consulta médica especializada regularmente. Você está com a sua mamografia em dia?

Fonte: Informativo Mapma
www.oncoguia.org.br/conteudo/outubro-rosa-oncoguia-e-voce-juntos-em-todos-os-momentos/13898/1200/
www.einstein.br/doencas-sintomas/cancer-mama
https://mulherconsciente.com.br/cancer-de-mama/como-detectar-e-identificar-cancer-de-mama/#rastreamento
www.roche.com.br/pt/por-dentro-da-roche/voce-sabe-o-que-e-outubro-rosa.html
https://mulherconsciente.com.br/cancer-de-mama/tudo-sobre-o-cancer-de-mama/#como-prevenir-o-cancer-de-ma

Leia Mais
16 set
By: Blog SIAS 0

ANS estabelece teto para reajuste de planos individuais e familiares

Percentual é o máximo que poderá ser aplicado em cima das mensalidades reduzidas pelo índice de 2021.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) limitou em 15,5% o índice de reajuste para os planos de saúde individuais e familiares regulamentados (contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98). O percentual é o teto válido para o período entre maio de 2022 e abril de 2023 para os contratos de cerca de 8 milhões de beneficiários, o que representa 16,3% dos consumidores de planos de assistência médica no Brasil. Ao todo são 49,1 milhões de beneficiários com planos de assistência médica no País, de acordo com dados referentes a março de 2022.

O índice de 2022 foi apreciado pelo Ministério da Economia e aprovado em reunião de Diretoria Colegiada na tarde de 26/05. A decisão será publicada no Diário Oficial da União e o reajuste poderá ser aplicado pela operadora a partir da data de aniversário do contrato, ou seja, no mês da contratação do plano.

Para chegar ao percentual de 2022, a ANS utilizou a metodologia de cálculo que vem sendo aplicada desde 2019, que combina a variação das despesas assistenciais com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) descontado o subitem Plano de Saúde.

O cálculo é baseado na diferença das despesas assistenciais por beneficiário dos planos de saúde individuais de um ano para o outro. Dessa forma, o índice de 2022 resulta da variação das despesas assistenciais ocorridas em 2021 em comparação com as despesas assistenciais de 2020.

Em 2021, a Agência anunciou, pela primeira vez um percentual de reajuste negativo (-8,19%), o que resultou na redução das mensalidades no período de maio de 2021 a abril de 2022. O percentual negativo refletiu a queda de 17% no total de procedimentos (consultas, exames, terapias e cirurgias) realizados em 2020, em relação a 2019, pelo setor de planos de saúde. A redução da utilização dos serviços aconteceu em decorrência das medidas protetivas adotadas para evitar a disseminação da Covid-19. Em 2021, com a retomada gradativa da utilização dos planos de saúde pelos beneficiários, as despesas assistenciais apresentaram crescimento, influenciadas principalmente pela variação no preço dos serviços/insumos de saúde.

Despesas assistenciais em 2020 e 2021 – Base de cálculo do reajuste

O valor final do plano de saúde é impactado por fatores como a inflação, o aumento ou queda da frequência de uso do plano de saúde e os custos dos serviços médicos e dos insumos, como produtos e equipamentos médicos.

Os gastos assistenciais per capita nos planos individuais regulamentados tiveram crescimento de 20,35% em 2021 comparado a 2020. No entanto, a frequência no uso de serviços de saúde no setor em 2021 não cresceu neste mesmo ritmo, exibindo uma retomada mais gradual em relação ao ano anterior, principalmente quanto às consultas e internações. Esses dados indicam que grande parte da variação positiva dos custos assistenciais de 2021 ante a 2020 se deve à forte variação no preço desses serviços.

Como a frequência na utilização de serviços apresentou queda bastante acentuada em 2020, a retomada em 2021, ainda que gradual, foi suficiente para que, ao lado de um aumento acentuado nos preços dos insumos e serviços, acelerasse o índice deste ano para 15,5%.

As informações sobre as despesas assistenciais do setor estão disponíveis no Prisma Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar, publicação em formato de painel dinâmico atualizada trimestralmente pela ANS.

Importante!

Tanto o índice de reajuste de 2021, quanto o de 2022 tiveram forte impacto da pandemia de Covid-19. Dessa forma, não se pode analisar o percentual calculado para o reajuste de 2022 sem considerar o contexto e os movimentos atípicos no setor de planos de saúde nos últimos dois anos.

O índice de reajuste dos planos individuais reflete o comportamento das despesas assistenciais no ano anterior. Logo, em 2020, com a redução da frequência de utilização, a ANS definiu um reajuste negativo inédito, de -8,19%. Em 2021, com a retomada gradativa da utilização dos serviços de saúde e o aumento dos custos no setor, o índice autorizado retratou esse aumento de despesa. Ressalta-se ainda que os custos sofreram a influência do maior período inflacionário desde 2003.

Sendo assim, o reajuste acumulado de 15,5% em 2022 com o reajuste de -8,19% em 2021 equivale ao aumento de 2,97% por ano nesses dois anos de pandemia de Covid-19.

Metodologia de cálculo do percentual de reajuste dos planos individuais ou familiares

Fruto de estudos robustos, efetuados pela Agência ao longo dos anos e amplamente discutido com o setor e a sociedade, o Índice de Reajuste dos Planos Individuais (IRPI) combina o Índice de Valor das Despesas Assistenciais (IVDA) com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), descontado o subitem Plano de Saúde.

O IVDA reflete a variação das despesas com atendimento aos beneficiários de planos de saúde, enquanto o IPCA incide sobre custos de natureza não assistenciais, como despesas administrativas. Na fórmula, o IVDA terá peso de 80% e o IPCA de 20%. A fórmula do IVDA tem três componentes: a Variação das Despesas Assistenciais (VDA), a Variação da Receita por Faixa Etária (VFE) e o Fator de Ganhos de Eficiência (FGE).

A VDA é calculada com base nos dados das demonstrações contábeis e quantidade de beneficiários enviados pelas operadoras à ANS periodicamente. As bases utilizadas no cálculo são públicas, conferindo, assim, maior transparência e previsibilidade.

A VFE deduz a parcela da variação de despesas das operadoras que já é recomposta pela variação das mensalidades por mudança de faixa etária. Já o FGE é um índice de eficiência apurado a partir da variação das despesas assistenciais, transferindo para os consumidores a eficiência média do setor e evitando um modelo de repasse automático da variação de custos.

Em caso de dúvidas, os consumidores podem entrar em contato com a ANS por meio dos seguintes canais de atendimento:

Disque ANS: 0800 701 9656
Central de Atendimento ao Consumidor, no endereço eletrônico www.gov.br/ans
Central de atendimento para deficientes auditivos: 0800 021 2105

Fonte: www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/noticias/beneficiario/ans-estabelece-teto-para-reajuste-de-planos-de-saude-individuais-e-familiares

Leia Mais
01 set
By: Blog SIAS 0

Setembro Amarelo: Prevenção ao Suicídio

A campanha Setembro Amarelo® salva vidas!
Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza, em território nacional, o Setembro Amarelo®. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a iniciativa acontece durante todo o ano. Atualmente, o Setembro Amarelo® é a maior campanha anti estigma do mundo! Em 2022, o lema é “A vida é a melhor escolha!” e diversas ações já estão sendo desenvolvidas.

O suicídio é uma triste realidade que atinge o mundo todo e gera grandes prejuízos à sociedade. De acordo com a última pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde – OMS em 2019, são registrados mais de 700 mil suicídios em todo o mundo, sem contar com os episódios subnotificados, pois com isso, estima-se mais de 01 milhão de casos. No Brasil, os registros se aproximam de 14 mil casos por ano, ou seja, em média 38 pessoas cometem suicídio por dia.

Embora os números estejam diminuindo em todo o mundo, os países das Américas vão na contramão dessa tendência, com índices que não param de aumentar, segundo a OMS. Sabe-se que praticamente 100% de todos os casos de suicídio estavam relacionados às doenças mentais, principalmente não diagnosticadas ou tratadas incorretamente. Dessa forma, a maioria dos casos poderia ter sido evitada se esses pacientes tivessem acesso ao tratamento psiquiátrico e informações de qualidade.

Saiba mais sobre a campanha em: www.setembroamarelo.com. 

Leia Mais
01 set
By: Blog SIAS 0

Novo Plano Médico ASSIM SAÚDE

A SIAS e a MAPMA estão disponibilizando uma nova bandeira de plano médico-hospitalar do Grupo ASSIM para participantes e assistidos da SIAS.
O Grupo ASSIM é constituído por diversas empresas do segmento de saúde que oferece excelência no atendimento médico, no Rio de Janeiro. É o maior grupo empresarial de saúde, verticalizado, do Rio de Janeiro.
O ASSIM SAÚDE é uma operadora de planos de saúde com mais de 380.000 clientes. Possui a maior rede própria de hospitais e centros médicos, todos no Rio, além de ampla Rede Credenciada.
Será disponibilizado exclusivamente um plano regional (para os residentes no RJ) com opções COM e SEM coparticipação, na modalidade coletivo por adesão e com pré-pagamento.

Importante: Com base na clausula contratual, para início do plano é necessária a adesão de, no mínimo, 30 beneficiários.
Para mais informações sobre abrangência, elegibilidade, documentação, entre outras, acesse www.sias.org.br/home/nova-bandeira/.

Agora os participantes e assistidos da SIAS passam a ter três alternativas de plano médico hospitalar: Unimed Rio (Nacional), Amil (Nacional e Regional – RJ, SP e DF) e Assim (Regional – RJ).

Leia Mais
01 set
By: Blog SIAS 0

Curso: Fundamentos de Economia e Finanças

Esse curso é para quem quer dominar os principais conceitos de economia e finanças e aplicá-los no seu dia-a-dia. Durante os estudos, são apresentados temas como cálculos financeiros, interpretação de gráficos e resolução de problemas utilizando técnicas de matemática financeira. Ao final, você terá a capacidade de interpretar as informações e explicar o seu significado.

Conteúdo do curso: 

Fundamentos de Economia e Finanças
Além de saber como funciona uma economia, é importante, também, conhecer os elementos básicos e as aplicações da matemática em finanças. Fundamentos de Economia: Indicadores econômicos, Índices de inflação, Produto Interno Bruto, Taxas de câmbio, Política Monetária, Produto Interno Bruto, Política Fiscal e Política Cambial. Fundamento de Finanças: Elementos básicos e as aplicações da matemática em finanças, Regimes de capitalização, Desconto comercial, Taxa de juros nominal e taxa de juros real, Séries uniformes de pagamento, Métodos de análise de investimentos, Taxa Mínima de Atratividade, Custo Médio Ponderado de Capital (CMPC) e Valor Presente Líquido (VPL).

 

Para saber mais, acesse: https://cursos.anbima.com.br/detalhes-item/61a0e074271d2829b338ca90/Entenda%20o%20mercado%20financeiro

Leia Mais